5 dicas para treinos fisiologicamente inteligentes

muller-treino-alemanha-andur-4
Um novo ano começa. Para alguns desportos isto implica uma nova época, para outros, entrar numa fase mais avançada de uma época que começou já há alguns meses atrás. De uma forma simples, queremos desta vez deixar aqui para os nossos colegas treinadores, 5 dicas gerais para desenharem treinos mais coerentes e eficazes do ponto de vista da carga fisiológica, independentemente se for um treino de cariz mais técnico e táctico ou físico.
Lembrem-se sempre, queremos qualidade, não quantidade. Queremos atletas/equipas cada vez mais rápidos, mais fortes, mais explosivos e capazes de o fazer vezes sem conta.
#1 – o aquecimento é fundamental para um treino eficaz
Todos os dias, por Portugal inteiro, os treinos começam com a corridinha à volta do campo ou então, nos casos em que se aplica, um exercício repetitivo com bola – um circuito de passes por exemplo, ou de condução de bola. Temos de deixar de fazer isto de uma vez por todas. Este tipo de exercícios só beneficia o tipo de fibras musculares que queremos “evitar” a todo o custo, o que implica por outro lado não estimular/aquecer as fibras que irão permitir ao atleta ser mais rápido/mais forte. Outra coisa, não promovem o aumento de temperatura que se pretende ao nível intramuscular, apenas do ponto de vista central – (eu posso até estar a suar mas isso  não implica que o músculo esteja quente, são coisas diferentes).
Somos defensores do aquecimento sem bola, mais físico, para estimular as fibras certas, aquecer o músculo e assim evitar de forma eficaz possíveis lesões, e preparar o atleta para que, logo desde o início do treino, ele esteja apto para treinar em intensidade máxima. Já em artigos anteriores deixamos aqui alguns exemplos de aquecimento para o Basquetebol e para o Ténis. Esperamos conseguir mostrar outras opções para outras modalidades diferentes.
#2 – os exercícios novos, ou mais complexos são realizados no inicio
Uma das variáveis responsáveis por grandes intensidades de treino, é a complexidade. Como tal, ela deve ser tratada no inicio do treino. Exercícios com grande componente táctica, de leitura, devem ser realizados no início enquanto o organismo não está cansado.
No inicio do treino, estamos fisiológicamente mais aptos para receber estímulos mais intensos e complexos.  A dificuldade dos exercícios deve por isso ir diminuindo ao longo do treino. E, como abordamos no último post isto é verdade para treinos mais físicos como para treinos mais tácticos.
#3 – os exercícios físicos não são feitos no final
Da mesma forma que vemos a corridinha, ou exercícios similares com bola, por Portugal inteiro, também vemos os abdominais, as flexões e os saltos a acontecerem no final do treino. Não devem existir muitas coisas piores para o organismo do atleta do que isto. Parem de imediato!
Os “exercícios físicos” devem ser feitos antes do treino “com bola” ou antes do treino técnico. Existem excepções, falaremos disso noutro artigo.
Um dos problemas que temos a nível nacional é a falta de conhecimento que existe na área da preparação física dos atletas (uma das razões pelas quais nasceu este blog). Mas, enquanto que o meu conhecimento dos aspetos técnico e tácticos do treino e da modalidade em si, não for muito grande a pior coisa que pode acontecer ao meu atleta/equipa é passar ao lado de uma carreira desportiva (o que, naturalmente, as probabilidades são elevadas para que isso aconteça). Por outro lado se eu cometer um erro do ponto de vista físico, posso estar a limitar/condicionar a vida de um atleta, para o resto da sua vida. A componente de treino físico é séria. Se não soubermos explorá-la de forma correta, então mais vale não fazermos nada a esse nível.
#4 – o repouso faz parte do treino e é parte fundamental para uma performance de excelência
Muitas vezes, com a ânsia de fazermos treinos intensos, e porque achamos que, se o atleta não está visivelmente cansado, a suar, então não está a treinar de forma intensa e por isso “carregamos” um pouco mais, esquecemos de uma componente fundamental da performance desportiva, o repouso. Não é possível mantermos níveis de intensidade elevadas por longos períodos de tempo e ininterruptamente. Para mantermos a qualidade do trabalho, e das experiências de aprendizagem dos nossos atletas, os momentos de repouso devem ganhar o seu espaço no nosso treino.
Atenção, muitas vezes achamos que na transição entre exercícios e enquanto estamos a explicar o novo exercício, esse momento já serve de repouso – está errado! Nesse momento, nós queremos que os nossos atletas estejam com o máximo de atenção ao que estamos a dizer, isso é intensidade – nós queremos concentração máxima no que estamos a dizer. Eles não vão conseguir fazer isso se ainda estiverem “acelerados” do exercício anterior.
#5 – promovam exercícios de retorno à calma no final do treino
O treino de hoje está ligado com o treino de amanhã. A performance do treino de amanhã depende da forma como preparamos a recuperação do nosso atleta/equipa da performance de hoje. É importante deixarmos o organismo do nosso atleta num estado que promova a sua recuperação eficaz. Num futuro post abordaremos alguns exemplos para recuperação, mas não fazia sentido fazer este artigo sem fazer referência a este tema.
EXTRA
Começamos este artigo a dizer que iríamos partilhar 5 dicas para tornar os nossos treinos fisiologicamente mais inteligentes. Deixamos aqui um bónus 🙂
#6 – eliminem os castigos físicos
Uma das componentes da Performance Desportiva é a componente física. Reparem, não é uma componente acessória, é uma componente ao mesmo nível que outras, tão fundamental para a performance desportiva como saber lançar ao cesto, ou saber passar uma barreira tecnicamente na perfeição. Fará então sentido tratar uma componente da performance desportiva como um castigo? Que tipo de mensagem passa aos atletas? “Se fizerem mal este exercício são 10 flexões!!!???!!!”
É nossa convicção que o factor onde estamos cada vez mais longe de outros países é precisamente nesta componente da performance desportiva. É imperativo que os nossos atletas, comecem a olhar para o treino físico como parte integrante  das suas carreiras desportivas e veículo fundamental para aspirar a performances desportivas de excelência. Para isso nós, treinadores, temos de tratar esta componente do treino como as outras e deixar de a tratar como castigo.
Um agradecimento
Desde que começamos este blog, há pouco mais de um ano atrás, muitos têm sido os desafios para mantermos ativo o preparacaofisicaxxi.com – quer sejam por questões profissionais ou de constrangimento de tempo. No entanto é com grande satisfação que constatamos, passado um ano da nossa existência, que temos visitas diárias ao nosso blog. Construímos entretanto uma página no facebook (aqui) e esperamos criar mais coisas ainda. Queremos por isso agradecer a todos os que seguem o nosso blog e esperar que consigamos, através dele e usando a nossa paixão pelo treino, e pela preparação física em particular, inspirar os nossos colegas e atletas a melhores performances desportivas. Obrigado e bom 2016!
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s